Palestra de Ciaran Kennelly sobre ratings em São Paulo » Jockey Club Brasileiro - Turfe

Palestra de Ciaran Kennelly sobre ratings em São Paulo

Ciaran Kennelly (fala-se Kíran) viajou ao Brasil a convite da ABCPCC para falar sobre a integração da OSAF à Federação Internacional de Autoridades Hípicas (IFHA), especialmente ao comitê de provas de grupo (IRPAC) e ao Ranking Mundial dos cavalos de corrida (WTR), baseado nos ratings. 

O irlandês foi handicapper do Irish Turf Club entre 1987 e 1999, depois handicapper no Hong Kong Jockey Club entre 1999 e 2007, assumindo, posteriormente, a função de consultor da IFHA, tendo sido chairman do WTR e principal coordenador nas integrações de Estados Unidos, Japão e agora América do Sul à Federação Internacional. Já realizou conferências nos Estados Unidos, Japão, França, Nova Zelândia e muitos outros países. 

Após abertura feita pelo Presidente Sergio Luis Coutinho Nogueira, ressaltando a importância do assunto e, sobretudo, da visita de Ciaran, este passou a falar sobre a origem da IFHA e sua principal missão: Promover a boa regulação e as melhores práticas em assuntos internacionais, coordenando e harmonizando as regras dos seus países membros acerca de criação, corridas e apostas

O primeiro ranking internacional de cavalos de corrida, à época chamado IC, foi publicado em 1977. Agregando muitos outros países, passou a se chamar World Thoroughbred Ranking (WTR) em 2004, sob os auspícios da IFHA. Com a inclusão da OSAF no ano passado, hoje esse ranking engloba todas as regiões (nos anos 90 entraram os EUA e o Japão e mais recentemente África do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Hong Kong, Cingapura e Emirados Árabes). 

Em última análise, disse Ciaran, o WTR confere credibilidade aos cavalos treinados na América do Sul. Antigamente, antes da inclusão dos cavalos da região no WTR, para que um animal brasileiro tivesse um rating reconhecido, precisava correr fora do país, ou depender da análise de algum handicapper do país destino (como acontecia com Dubai). A partir do ano passado, depois de 2 anos de trabalho dos handicappers da OSAF em conjunto com Ciaran, as avaliações locais, baseadas na metodologia internacional dos ratings, são válidas para todos os fins. 

Um desses fins é a análise técnica das provas de grupo, o que é feito mundialmente pela IFHA através do IRPAC2, criado em 2002 justamente para controlar a correta utilização dos critérios internacionais nas provas de grupo dos seus países membros. 

Esse critério internacional reconhecido é baseado na qualidade dos quatro primeiros colocados nos três últimos anos de cada prova de grupo. Ou seja, por mais que tradição e prêmios sejam aspectos relevantes, salientou Ciaran, o que garante ou não a manutenção de uma prova como sendo Grupo 1, 2 ou 3 é a qualidade média, calculada pelos ratings, dos seus protagonistas principais.

¹To promote good regulation and best practises on international matters; to coordinate and harmonize the rules of member countries regarding breeding, racing and wagering.”

²International Grading and Race Planning Advisory Committee.

O IRPAC é quem recomenda que uma prova seja rebaixada ou promovida; e que também recomenda rebaixamento ou promoção de um país no famoso Livro Azul. O efeito dessas recomendações, ou melhor, o destino prático disso é a SITA, a associação internacional dos leiloeiros, a quem cumpre utilizar os respectivos black-types nos catálogos de leilão. 

Ciaran salientou que é imprescindível, para evitar o rebaixamento de um país no Livro Azul, que estruturas de análise técnica das provas de grupo existam e sejam efetivas em nível local e regional. Assim, agora que a metodologia dos ratings foi adotada e a OSAF fala a mesma língua dos demais países, precisa se estruturar para analisar se os critérios estão sendo seguidos, e, em consequência, propor rebaixamentos e promoções de provas, lastreada, obviamente, pela média de ratings já explicada. 

Antes assim do que simplesmente se submeter de forma unilateral a rebaixamentos via IRPAC, explicou Ciaran. “Failure to do so and to evaluate all the South American Group races will put the position of South America as a Part I country in jeopardy”. 

Nesse ponto o Presidente Sergio Coutinho Nogueira pediu a palavra para dizer que o Brasil já estava estruturando um comitê local, tendo conversado com representantes dos principais Jockeys Clubes a respeito, com ótima receptividade. Ciaran então se mostrou satisfeito, dizendo que mais uma vez – como no caso das medicações – o Brasil estava dando o exemplo. 

O consultor disse que, assim como no exemplo da integração Australiana, será concedida uma tolerância aos países da América do Sul no tocante às médias das suas provas de grupo. Não teremos que, no princípio, ter a mesma média dos países europeus, nem mesmo da própria Austrália. 

Uma medida que deve ser incentivada pelos Jockeys e Associação de Criadores e Proprietários é a exportação de cavalos em treinamento que possam correr no nível dos ratings aqui estabelecidos, no exterior. Caso da Old Tune, por exemplo, que nos EUA correu exatamente no rating aqui conferido, dando credibilidade aos ratings das corridas brasileiras. Caso idem do argentino Suggestive Boy. 

Ciaran a seguir explicou basicamente como são construídos os ratings, salientando que foram 2 anos de trabalho junto aos handicappers da América do Sul e que, logicamente, seriam necessárias horas e horas para que os presentes entendessem a sistemática. Os ratings partem do princípio de que a maioria ou ao menos boa parte dos cavalos correm no mesmo nível em suas várias atuações. A partir desses cavalos é possível construir, com uma precisão matemática, baseada em tabela de diferenças de corpos x libras nas diversas distâncias, os ratings acima e abaixo desses chamados link horses

Finalmente, Ciaran explicou a necessidade de os países de uma mesma região usarem uma só tabela de peso por idade, a famosa tabela II. O irlandês fez questão de frisar ser inaceitável, aos olhos da Federação Internacional, que dentro de um mesmo país hipódromos utilizem tabelas diferentes, como ocorre no Brasil. 

Lembrando que o peso numa prova de peso por idade é ignorado para efeito de ratings (ou seja, um 3 anos com x quilos de vantagem não tem essa diferença computada em seu desfavor frente a um cavalo mais velho), disse que um mesmo cavalo, chegando mesma posição frente a outro cavalo nos dois hipódromos teria ratings iguais, mesmo deslocando pesos diferentes, o que desacredita toda a metodologia. 

Finalizou dizendo que o status das corridas na América do Sul está em nossas próprias mãos.

Divulgação ABCPCC  – fotos: Marília Lemos

Gostou da notícia? Compartilhe!